Arquivo da tag: proposta de trabalho

Diálogos com a escola: experiências em formação continuada em filosofia na ufrgs

O livro é resultado do Curso de Formação Continuada em Filosofia para professores do Ensino Médio no Rio Grande do Sul, realizado entre 2012 e 2013 sob a coordenação da professora Priscilla Tesch Spinelli do Departamento de Filosofia da UFRGS. O curso é uma das parcelas do FORPROF UFRGS, que por sua vez faz parte do Plano Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica do Ministério da Educação, o PARFOR.

Continuar lendo

Hannah Arendt, por Margaret Von Trotta: um retrato da Filosofia

hannah-arendtHá alguns dias assisti o novo filme de Margarethe Von Trotta, Hannah Arendt, e gostaria de escrever aqui sobre alguns motivos pelos quais os professores de Filosofia deveriam discuti-lo com seus estudantes. Continuar lendo

Princípios para uma aula de filosofia

Dar aula de filosofia no ensino médio, atualmente, não é uma tarefa tão complicada quanto há um tempo atrás. Hoje em dia, talvez pela obrigatoriedade do ensino de filosofia no ensino médio, é possível encontrar sugestões de aulas, livros didáticos, textos, etc., numa simples busca, numa “googleada”. No entanto, a meu ver, pouco se discute acerca de como devemos, ou melhor, quais as atitudes que devemos ter para que a aula seja efetivamente uma aula de filosofia.

Obviamente, ensinar filosofia não é solicitar que os alunos decorem trechos ou ideias dos filósofos, muito menos aprendam “valores”, isto é, se enquadrarem nos ideais morais de uma sociedade. Por outro lado, não quero defender aqui que os alunos devam aprender a ter um “senso crítico”, até porque não devemos achar que somente a filosofia tenha a atribuição de trabalhar com essa noção carente de definição – não vamos discutir isso aqui nesse texto.

Continuar lendo

A escola pode pensar a escola? Uma proposta de currículo

Ontem, dia 15 de Outubro foi o dia do professor e, como de costume,  trouxe consigo reflexões sobre as dificuldades da carreira (baixos salários, desvalorização institucional….). Mas há uma reflexão que também é digna de nota e que diz respeito as instituições escolares. É nessa via que o excelente vídeo (infelizmente só em inglês) de Sir Ken Robinson, Changing education paradigms, percorre. Esse material lembrou-me de uma apresentação que fiz no II Seminário de Educação do Colégio Militar de Porto Alegre, cujo título foi “A Filosofia pensando a Educação e a Escola com estudantes do Ensino Médio”. Continuar lendo

Trabalhando com Política e Cidadania (9º Ano)

Visitação à Câmara de Vereadores de Esteio

No Brasil, como podemos acompanhar nos noticiários e no nosso dia a dia, política significa corrupção ou maus serviços públicos prestados – a uma confusão acerca do seu papel social. No ambiente escolar não poderia ser diferente, a simples pergunta o que política significa para você? Tem como resposta a sentença irrefletida, qual seja, política significa “coisa ruim”. Desse modo, o trabalho em sala de aula com essa temática passa, inicialmente, por uma quebra dos preconceitos – muitos inculcados pelos grandes meios de comunicação.

A partir do ano passado, tenho utilizado o livro “Somos filhos da Pólis: investigação sobre Política e Estética” (utilizo a 5ª ed.) de Silvio Wonsovicz, que faz parte da coleção que havia falado em post anterior. Essa coleção é desenvolvida por dois autores, o Silvio e o Alberto Thomal, o primeiro trabalhando mais orientado para a Ética e a Política e, o segundo, trabalhando mais com teoria do conhecimento e lógica. Em relação ao trabalho dos dois, no entanto, acho os textos elaborados por Silvio de mais fácil compreensão e mais instigantes que os textos de Thomal. Não quero dizer, com isso, que o trabalho do Thomal é ruim, muito pelo contrário, dado o tema abordado por ele – que é sempre difícil para o ensino fundamental -, ele dá conta do recado.

Continuar lendo